Pular para o conteúdo principal

Tom, Peter e Roger

Não é de hoje que as pessoas me perguntam quais foram as minhas principais inspirações na criação do Meteoro. Se você googlar, é bem capaz de encontrar na rede alguma entrevista na qual eu digo que as histórias clássicas do Homem-Aranha e a primeira série do Nova (escrita por Marv Wolfman) são as minhas principais influências na concepção do Meteoro, lá atrás, nos anos 1980.

E é a pura verdade! Depois, com o passar do tempo e das edições, o personagem foi adquirindo identidade própria, se afastando por completo de suas "raízes"; até chegarmos às novas HQs publicadas no trepidante Almanaque Meteoro. 

Há quem garanta, contudo, que Meteoro é autobiográfico, mas... olha... eu não voo!

OK! Mas há mais uma obra importante que me influenciou: Tom Sawyer, do escritor americano Mark Twain. A primeira vez que eu tive contato com os livros protagonizados por Tom, As Aventuras de Tom Sawyer, Tom Sawyer - Detetive e As Viagens de Tom Sawyer, foi quando ainda cursava a 5ª série do ginásio (não sei como isso é chamado hoje), na década de 1970. Por incrível que pareça, era uma recomendação do professor de Língua Portuguesa. 

Eu já conhecia Tom Sawyer de uma famosa adaptação cinematográfica de 1938 que, de vez em quando, passava na televisão, mas, ao ler as histórias, me apaixonei de vez pela mitologia do personagem! Twain chegou a declarar que para compor a personalidade complexa de Tom, se baseou em alguns meninos que conheceu em sua infância. 

Já Stan Lee, me garantiu, em entrevista, que sua única semelhança com Peter Parker era a pobreza; embora, com tantos anos de estudo de suas HQs, eu possa assegurar tranquilamente que, se o personagem em si não tem muito de seu criador, a perspectiva e filosofia de vida embutida na série do Homem-Aranha traz tudo e mais um pouco de sua essência. 

Mas, afinal de contas, o que tem de tão especial esse Tom Sawyer? Bem...

Tom era um menino doce, porém levado. Alma nobre e aventureira. Criado pela tia Polly, amigo de Huckleberry Finn, e apaixonado pela garotinha loira mais linda da escola, Becky Tatcher. Isso tudo não soa familiar pra você? 

A seqüência da sala de aula, na qual ele é castigado severamente pelo professor no lugar da garota, é uma das mais emblemáticas do pequeno valente. Naquele momento, ele não apenas conquistou o coração de Becky, mas também inspirou o nascimento de outros heróis. 

Roger Mandari agradece...

© Copyright Roberto Guedes. Todos os direitos reservados.

Comentários

Anônimo disse…
Não tinha relacionado o Meteoro com Tom Sawyer mas, é verdade, tem muito a ver mesmo.
Grandes personagens!

Sandro José dos Santos
Alexandre disse…
Concordo com o Sandro. Foi o que comentei no facebook. É muito interessante descobrir essas histórias de bastidores, da criação dos personagens. E tem mais: você voa sim! Imaginação voadora e meteórica!
hehehehehehe
Anônimo disse…
Muito banca isso. Prova que você é um autor de quadrinhos mais do que especial, e que o Meteoro é um personagem e tanto, Roberto.



Cesar
Gerson_Fasano disse…
Sensacional Guedes, não sabia que você gostava de Tom Sawyer. É sem dúvida um livro cativante, que inspirou o Roger e seu autor a alçarem seus vôos. Mais do que poderes o que fica mesmo são os exemplos e atitudes, é isso que torna uma história, e a vida completas. Acredito que onde estiver, o Roger gostou muito desse livro.

Roberto Guedes disse…
Realmente o personagem de Mark Twain marcou minha infância, pessoal. E, Gérson: Roger adorou o livro, com certeza!