Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2013

Entrevista com Marv Wolfman

Desde que as imagens da produção do filme Guardiões da Galáxia foram disponibilizadas na internet, mostrando o uniforme da Tropa Nova, muitos fãs têm especulado se será Richard Rider ou seu sucessor, Sam Alexander, a participar da película.
Bem, isso me fez lembrar que Marv Wolfman, criador de “O Homem Chamado Nova” conversou comigo algumas vezes no passado, e que, inclusive, cedeu-me depoimentos exclusivos para o livro A Era de Bronze dos Super-Heróis.
Todavia, em 2006, ocasião em que o personagem completou 30 anos de sua estreia pela Marvel Comics, eu o entrevistei só para falar do “Cabeça-de-Balde”. Essa entrevista foi inserida numa reportagem maior que escrevi para a Wizmania 45, de junho de 2007, reproduzida adiante.
Guedes – A primeira aparição do Nova se deu há mais de 30 anos, mas foi uma espécie de remake de outro super-herói chamado “Black Nova”, oriundo de um fanzine que você editava nos anos 60. Você poderia explicar isso melhor para os leitores brasileiros? Wolfman –Eu criei…

O poder e a glória de Slady

Às vezes eu me surpreendo como algumas pessoas ainda se lembram, e com muito carinho, de Slady, um personagem que escrevi pouquíssimas histórias - precisamente três -, nos anos 1990, e todas para revistas independentes de baixa circulação. Isso aconteceu num período de transição, depois de passar um tempo roteirizando HQs de humor para algumas editoras de São Paulo, e antes de assumir a função de editor na Opera Graphica.

Slady poderia ser classificado como uma space opera, mas acho que é um pouco além disso. Eu sempre gostei muito da história do Rei Arthur, do conturbado triângulo amoroso envolvendo Arthur, Guinevere e Lancelot, e das aventuras dos demais cavaleiros da mítica Távola Redonda. Também era fã de carteirinha (e ainda sou) das histórias clássicas de O Poderoso Thor, de Stan Lee e Jack Kirby, e achei que seria bacana misturar todos esses conceitos para compor esse meu "dramalhão cósmico" repleto de combates ferrenhos, traições, paixões e atos de nobreza.

Slady é o…

A tormenta e a brisa

Chove tanto mundo aforaQue a janela embaça dentroVejo a noite pela frestaAbro a porta, entra o vento
Trovão ruge no infinitoRaio rasga de improvisoTudo branco em dois segundosVejo os céus – é um aviso!
Fúria impera violentaCrueldade? És tremendo!  Gritaria compulsivaDeu blecaute em pensamento
Só chuvisca, alma limpaÉ o Verbo que aterrissaCom sorriso ele sussurra  “Após tormenta vem a brisa”
© Copyright Roberto Guedes. Todos os direitos reservados.