Pular para o conteúdo principal

Qual a razão do apelido "Foggy"?

Henson, o Foggy do seriado.
Tanto o leitor das "antigas", que acompanha os gibis do Demolidor há anos, como os espectadores mais novos que conheceram o Homem sem Medo com a exibição do excelente seriado da Netflix, se perguntam a razão do amigo e sócio de Matt Murdock, Franklin Nelson (interpretado por Elden Henson), ter o incomum apelido de "Foggy".

Ora, na língua inglesa foggy significa "nevoento" ou "nebuloso", palavras que nem de longe definem o simpático, engraçado e um tanto guloso advogado. Depois de tantos anos, o roteirista Mark Waid tentou justificar o apelido no contexto cronológico, em Daredevil 3ª série 12 (julho de 2012), ao contar, em retcon, que Matt apelidou o colega ainda na época de faculdade, devido ao seu ronco estrondoso que o fazia parecer um "human foghorn", ou seja, uma "sirene de nevoeiro humana".

Sirene de nevoeiro é um sinal sonoro emitido no mar para as embarcações não colidirem. No Brasil, a Panini publicou essa HQ em Demolidor 3 (janeiro de 2014), mas talvez por entender complicado explicar o apelido, preferiu dizer que Matt achava que o amigo roncava feito uma "motosserra com bafo de salgadinho", eliminando a explicação de que o apelido "Foggy" foi dado pelo herói cego.

Mas deixando Waid e Panini de lado, a verdadeira razão para Stan Lee ter batizado o rotundo personagem com esse apelido continuava sem explicação. Ou não.

É que em sua coluna Stan's Soapbox publicada em The Amazing Spider-Man 2ª série 3 (março de 1999), o famoso editor contou que "Foggy" era o apelido de um velho amigo dele, estudante de Direito. Portanto, foi uma maneira de Stan homenageá-lo.

© Copyright. Roberto Guedes. Todos os direitos reservados.

Comentários

Andre Bufrem disse…
A volta do Manifesto e com uma curiosidade interessante.
Não conhecia nenhuma das duas explicações.
Boa Guedes.
Andre
Parabéns pelo retorno e por escavar esta relíquia!
Roberto Guedes disse…
Valeu, chapas!


Sempre que eu tiver uma folga no trabalho irei atualizar o Manifesto.

Abraços!