Pular para o conteúdo principal

50 anos da Marvel no Brasil

Em julho de 1967, os super-heróis da Marvel estreavam em nosso país via EBAL (Editora Brasil-América Ltda), de Adolfo Aizen. Eram personagens inteiramente novos, modernos e de estrondoso sucesso nos Estados Unidos - desde a fundação do Universo Marvel em 1961, capitaneado por Stan Lee, e coproduzido por grandes artistas como Jack Kirby e Steve Ditko, entre outros.

Homem de Ferro, Namor, Hulk, Thor e um repaginado Capitão América também faziam sucesso em desenhos animados da televisão, chegaram aqui amparados por uma forte campanha publicitária, que também envolvia brinquedos, discos compactos, álbuns de colorir e outros acessórios infantis, além do patrocínio da rede de postos de combustíveis Shell.  Em seguida vieram o Homem-Aranha, o Demolidor e o Quarteto Fantástico.

No decorrer do tempo, outras editoras nacionais também investiram nesses super-heróis fantásticos. Desde aquelas consideradas pequenas (ou "nanicas", conforme os fãs), vide GEP (Gráfica Editora Penteado), GEA (Grupo de Editores Associados), M&C (Minami & Cunha), Trieste, Gorrion e Roval; além das maiores Bloch, RGE (Rio Gráfica e Editora) e Abril; até chegarmos aos dias atuais, com as publicações caprichadas da Panini Comics.

Toda essa maravilhosa, porém conturbada trajetória, repleta de bastidores polêmicos e reviravoltas fantásticas, você poderá conferir no dossiê gigante - de 15 páginas - que escrevi para a revista Mundo dos Super-Heróis 91, já à venda. Com certeza, uma edição histórica, para ler, reler e consultar toda hora. Mas corra, antes que suma de vez das prateleiras, OK?

© Copyright Roberto Guedes. Todos os direitos reservados.





Comentários

Denis Mendonça disse…
Particularmente adorei o Dossiê 50 anos da Marvel no Brasil do Mastermarvelman Roberto Guedes da para entender o porquê da Abril ter perdido os direitos de publicação da Marvel no Brasil. Os caras enganavam os leitores. E os X-Men de Gedeone me deixou curioso em ler esse material. O Worney e o Baraldi compilaram esse material em Arquivos X-Men de Gideone Malagola. Da um Google.
Roberto Guedes disse…
Legal saber que curtiu o dossiê, Denis. Sim, a Abril enganou a maior parte dos leitores, durante um bom tempo, com as adulterações cometidas nas HQs (a tal "Cronologia Própria da Abril). Mas não foi por isso que acabou perdendo os direitos dos heróis da Marvel para a Panini.

Conforme detalhado na matéria, as vendas das revistas já não respondiam às expectativas da editora - que então trabalhava com altas tiragens -, em parte, devido ao nível ruim das histórias dos anos 1990.

E, ao tentar elitizar com a linha Premium, foi como jogar a pá de cal de uma vez. Por sua vez, a Panini, que já cuidava das publicações Marvel em vários países, mexeu os pauzinhos antes mesmo de findar o contrato de licenciamento da Marvel com a Abril, assim garantindo os direitos da Casa das Ideias em território brasileiro.

Já essa edição dos "X-Men da GEP" editada por Baraldi e Worney foi divulgada aqui no blog em seu lançamento. Traz um artigo meu, publicado originalmente no lendário magazine Alter Ego, do não menos lendário Roy Thomas. Vale a pena conferir a edição.

Abração!
Denis Mendonça disse…
Abração Guedes MasterMarvelMan, agradeço a resposta, agora entendi o porque a Abril perdeu os direitos...X-Men de Gedeone na mão!!