Pular para o conteúdo principal

O dia em que a Leitura morreu

28 de fevereiro de 2010: faleceu aos 95 anos de idade José Mindlin, filho de judeus ucranianos. Empresário, advogado, membro da Academia Brasileira de Letras e, provavelmente, o mais importante bibliófilo brasileiro. A ABL decretou ontem três dias de luto por sua morte.

Mindlin possuía um acervo incrível de livros raros de autores brasileiros e portugueses, num total estimado em mais de 40 mil volumes, e cujas datas de alguns exemplares remontam ao século 18.

Era admirado por setores distintos da sociedade e política nacional devido à sua vasta cultura. Também contribuiu para o resgate da memória dos Quadrinhos no Brasil, permitindo que a Opera Graphica Editora reproduzisse uma edição fac-símile – a partir de um cuidadoso processo fotográfico – da edição primeira de O Tico-Tico (de 1905), encartada no livro comemorativo de 2005 O Tico-Tico – 100 Anos.

Sua generosidade não parou por aí, já que, ainda em 2006, doou sua coleção imensa de Literatura Brasileira à USP (Universidade de São Paulo).

Registrado aqui, portanto, esta pequena homenagem à memória de um homem que dedicou sua vida ao ato precioso da leitura.

© Copyright Roberto Guedes. Todos os direitos reservados.

Comentários

Valcir disse…
Guedes,

Nunca ouviu ou li algo sobre o Sr. Mindlin, falecido, mas a memória por tão grande importância, cuja justa homenagem faz ao relatar o fato em seu Manifesto, receba meus parabéns.

Obrigado por partilhar esse momento.

Grato.
ZeBorba disse…
E pelo que ouvi ele suou bastante pra conseguir fazer essa doação pra USP. Infelizmente, se fosse em outro país, isso seria bem mais fácil, mas aqui tudo é difícil. A cultura então, nem se fala...
Franco disse…
Fabuloso, Roberto.
Parabéns!
abs
Bira disse…
Puxa, que notícia!!!!!!
Mesmo sabendo que ele estava velhinho, a gente nunca esperava que ele fosse morrer.
Heróis e deuses nunca morrem, né?
O João Antonio Buhrer vai ficar triste. Era amigão dele!
Inter-HQ disse…
Com cultura tudo é mais recheado de emoção.

95 anos foi pouco para este homem tão dedicado à leitura.

Parabéns pela homenagem, Guedes!
abraço
Cesar disse…
Muito bem registrado, Guedão.
O Imortal José Mindlin merece toda homenagem que se possa fazer à ele.
Neste país onde se glorifica o analfabetismo, como se ser anafabeto fosse um ponto de honra..... HONRA VERDADEIRA ao Mindlin, esse sim, um cidadão culto e que merece ser honrado.

Parabéns pela lembrança, Guedes.
Sandro Marcelo disse…
Veja como nosso país é lamentável... um homem dessa importância e a maioria dos brasileiros (eu incluso) desconhecia sua existência... e agora ele se vai e mesmo sem saber de sua exiostência, tenho certeza que ele fará uma imensa falta a esse país por seu amor incondicional à leitura. Ô país doente, esse Brasil!!
Regina disse…
Que pena!
Mindlin foi uma grande figura como pessoa, apaixonado por livros, por cultura, por brasileiros, foi motivo de muito orgulho para todos nós.
Parabéns pela matéria!
Um beijo.