Pular para o conteúdo principal

Antes de Superman já existia o Fantomas


Numa tradução literal, Ogon Bat significa “Morcego Dourado”, mas no Brasil ficou conhecido mesmo como Fantomas, o Guerreiro da Justiça, quando da exibição de seu anime a partir de 1973, via TV Record. Uma criação de Ichiro Suzuki (roteiro) e Takeo Nagamatsu (arte).

O desenho foi produzido no Japão em 1967, por Noburo Ishiguro, mas as origens do personagem remontam a um período bem mais antigo. Fantomas surgiu em 1930, quando suas histórias eram contadas no kamishibai, que poderíamos chamar de “teatro de papel”. Um recurso criado por monges budistas para contar histórias e passar lições de moral através de ilustrações. 

Esse tipo de linguagem visual influenciaria os futuros autores de mangás, caso de Osamu Tezuka, que fez a primeira quadrinização de Fantomas em 1947, nas páginas de Kaito Ogon Bat, da editora Ikuey Shuppam. A edição vendeu aproximadamente 40 mil exemplares. No ano seguinte, o próprio Takeo Nagamatsu publicaria um novo mangá do personagem. 

É considerado por muitos, não apenas o primeiro super-herói japonês, mas até mesmo mundial, pois antecede a estreia de Superman em oito anos. Contudo, o herói americano surgiu primeiro nos quadrinhos.

A história do personagem cadavérico é centralizada no Dr. Steel, seu filho Terry, e na jovem Marie. Os três conseguem reviver Fantomas, o imperador da antiga Atlântida, a tempo de que ele os salve do terrível Dr. Zero, o vilão da história, e pretenso conquistador do mundo. Seu bordão ficaria famoso na televisão: “Zeroooo”. 

Fantomas usa uma armadura indestrutível, é capaz de voar e tem superforça – mas sua característica mais marcante é a gargalhada apavorante. O personagem também estrelou três produções live action, nos anos de 1950, 1966 e 1972. Os mangás permanecem inéditos no Brasil.

© Copyright Roberto Guedes. Todos os direitos reservados.

Comentários

Anônimo disse…
Tezuka não foi o primeiro a fazer quadrinhos do personagem, na verdade o primeiro foi feito pelo Yuasa Kumesaku em 1935, além do Tezuka, o do Takeo também costuma ser datado em 197
Sobre esse primeiro mangá, somente em japonês nesse fansite e na Wikipédia no mesmo idioma, no artigo do The Comics Journal coloca a data de 1948 e fala de um formato híbrido de quadrinhos e conto ilustrado chamado emonogatari, que atualmente não é mais usado, o kamishibai é um exemplo de arte sequencial e deriva dos emakimonos.

http://ogonbatter.web.fc2.com/yuasa.html

http://ogonbatter.web.fc2.com/

https://ja.wikipedia.org/wiki/%E9%BB%84%E9%87%91%E3%83%90%E3%83%83%E3%83%88


http://www.tcj.com/emonogatari-in-the-age-of-comics-1948-1957/



André Campos
Sandro Santos disse…
Bela matéria, Guedes.
Não sabia que o personagem era tão antigo, pensei que tinha sido criado nos anos 50 ou 60.
Roberto Guedes disse…
Pois é, Sandrão, a nossa geração conheceu o personagem pela televisão (nos anos 1970), mas ele é bem mais antigo.
Roberto Guedes disse…
André, grato pelos links e informações adicionais. Mas o que entendi disso tudo, é que o quadrinho (mangá) de Yuasa Kumesaku retrata uma versão diferente do personagem, como um vilão, e com um enredo voltado para a comédia. Nada a ver com o original. De acordo com a mesma fonte, teria sido lançado em 1941. Bem, confira neste link: http://ogonbatter.web.fc2.com/yuasa.html

Abraço!
Boa tarde, Guedes, que materia excelente, olha eu adoro esse personagem o Fantomas, tenho todos os animes, na minha infância eu assistia e re-assistia, muito interessante ver que ele é um dos heróis mais antigos criados. Como sempre trazendo a nós informações que jamais encontrariamos em outro lugar. Muito obrigado!
Roberto Guedes disse…
Valeu pelo prestígio, Denis! Não sou um especialista em material japonês, mas também curtia o Fantomas na infância. Tem uma trajetória bem interessante.
Carlo Lebotti disse…
Olá Guedes! Tem também o Fantomas publicado pela Ebal, usava cartola e bengala, utilizava o bordão Ameaça Elegante. Lembra dele?
Roberto Guedes disse…
Claro que lembro, Lebotti! Era um quadrinho mexicano baseado num personagem da literatura francesa.
Anônimo disse…
Fantomas ´sempre me foi um personagem fascinante foi ótimo saber que ele foi um dos pioneiros dos quadrinhos. Abraço Edu Gibilândia.
Roberto Guedes disse…
Acho que o personagem é praticamente uma unanimidade. Todo mundo lembra dos desenhos com saudade. Abraço, Edu!