Pular para o conteúdo principal

A prima sereia do Homem-Aranha



Hey, intrepid one, sabia você que a primeira aparição de Tio Ben e Tia May ocorreu originalmente em Strange Tales 97 (junho/1962), ou seja, dois meses antes da estréia oficial do próprio Peter “Homem-Aranha” Parker em Amazing Fantasy 15?

Não? Pois é...

A explicação é a seguinte: antes de Stan Lee e Jack Kirby darem início ao Universo Marvel, a editora, que ainda atendia pela alcunha de “Atlas” (uma espécie de selo genérico quebra-galho usado por Martin Goodman para suas diversas ramificações editoriais), vivia a editar bastante material de suspense e ficção científica, principalmente histórias de monstros alienígenas que tinham como curtição maior invadir e tomar o planeta Terra (é só fuçar nos sebos que você acha esse material duca distribuído por centenas de gibis brasileiros das antigas).

Muitos conceitos e personagens desse período foram reformulados e adaptados ao novo Universo Marvel que surgiu a partir do primeiro gibi do Quarteto Fantástico em 1961 (sabe como é, Stan, “macaco velho”, não era de jogar idéias fora), e, por causa disso, os estudiosos, colecionadores e comerciantes em geral iniciaram um verdadeiro trabalho de “arqueologia” para encontrar os chamados “protótipos” (personagens da Atlas que serviram de base para os da Marvel).

Por exemplo: houve um “Homem-Aranha” antes desse que conhecemos, embora fosse, na realidade, um monstro. E também um Hulk, antes do gigante esmeralda que todos nós amamos. Depois do lançamento do Verdão (não, não me refiro aqui ao glorioso Palmeiras), o antigo Hulk foi reintroduzido no Universo Marvel vigente como um inimigo do alter-ego de Banner, sob a alcunha de Xemnu (lembra, ó desmemoriado?).

Well, nesses dois exemplos nós constatamos que o primeiro seria “deixado pra lá”, e que o segundo foi reaproveitado com uma pequena alteração na “certidão de nascimento”. Mas agora é que entramos na razão de ser destas – quase que – exasperantes linhas. Afinal... e o simpático casal (Ben e May), que cuidava de sua sobrinha que andava de cadeira de rodas, a loirinha Linda Brown?!



Na trama produzida por Stan Lee e Steve Ditko, os velhinhos, além de possuírem os mesmos nomes, assemelham-se escandalosamente aos tios de Peter Parker. Ao final do conto, o leitor descobre que a garota não era aleijada, mas sim, uma sereia, que inclusive parte para seu “lar” subaquático, deixando os velhinhos desconsolados.
Sniff!
Embora os lojistas “vendam” o conceito (e a revista) tratando-se realmente dos Parkers, inclusive, elevando o preço desse raríssimo exemplar a portentosos milhares de dólares, é fascinante para nós, enquanto apaixonados pelas intrínsecas nuances do comicdom, mentalizar paralelos da fase Atlas com a cronologia Marvel, especificamente, a do Aranha.

Ora, pra quem já viveu as mais loucas aventuras, inclusive sendo filho de agentes secretos, que problema haveria para Peter ter uma priminha do fundo do mar? A própria Marvel “joga” com a idéia, conforme destacou numa edição reprise de anos atrás: “-Serão essas pessoas os verdadeiros Parkers? Somente Stan e Steve sabem... e eles não irão revelar!”

Hunf! Quer saber? Com sobrinhos assim, depois não entendem por que tia May é cardíaca...

© Copyright Roberto Guedes


Este texto – publicado originalmente em Gibilândia 3 (abril/2002), e reprisado em Stripmania 3 (janeiro/2005) – foi revisado, ampliado e atualizado pelo próprio autor.

Comentários

Anônimo disse…
Boa Guedes. Essa eu já conhecia do saudosíssimo Gibilândia, mas não sabia que alguns monstros da Atlas foram publicados por aqui.... Alguém saberia citar as revistas que podem ter publicado este material? Mais uma vez seu texto é muiot bem escrito, flui leve e interessante.
Obrigado.
Andre Bufrem
Anônimo disse…
Só posso dizer uma coisa: que maravilhosa e sensacional informação que eu desconhecia......
O que é a natureza, hein? Eh, eh, eh.

Abração do Cesar
Anônimo disse…
Bela descoberta. Ótimo artigo.
(FR)
Anônimo disse…
Guedes, bom dia!

Essa eu não sabia. Mas sabia que as histórias em quadrinhos há muita mais coisas que nossa vã inteligência conhece.

Valeu.

Valcir
Wendell disse…
"Splash! Uma Sereia em Minha Vida" rsrs..

Aí Guedão, essa eu não sabia! Caramba!
Grande texto sobre a história das HQ's. Esse Stan, hein? Excelsior!
Ah, claro! Ditko rules!

Abraços!

Wendell
Bira disse…
Grande Guedes, sempre surpreendendo quem acha que não se surpreenderá...
HAuhauhauauhuauhauhah
Grande garimpador dos Comics!
Abração
Anônimo disse…
Oi Guedes,

Beleza de garimpagem.

Poxa, como eu gostava daquelas histórias curtas. Lá eu já respeitava e achava o máximo as idéias do Stan Lee.
Eram de baciadas e sempre saborosas. Quem mais fazia isso? E está tudo lá, boa parte do embrião do universo Marvel.
Nada nasce de repente. Há sempre um investimento antes, moroso, em banho maria. O burro, a anta do empresário, do editor brasileiro parece não saber disso. Desgraçados.
Gostei demais da matéria.
Essa HQ eu não conhecia Provavelmente nem saiu publicada em português né?

Grande abraço.

Seabra
Roberto Guedes disse…
Fala, Seabra!
Essa história em particular não sei dizer se saiu por aqui. É provável que não.

A fase da Atlas - que percorre todos os anos 50, mais o príncipio da década seguinte (antes de Quarteto Fantástico 1) pode ser dividida em duas fases:

1ª) Em antes de Martin Goodman, o dono da editora vender sua distribuidora (quando publicava gibis de terror, faroeste, ficção, romance, policiais, bichos falantes etc.); quando Stan tinha à sua disposição dezenas de colaboradores, entre roteiristas e desenhistas.

2ª) depois da venda, quando teve de cortar pessoal e ficar praticamente com apenas Stan na redação bolando as histórias, além de Ditko, Kirby, Ayers e Heck; além de utilizar material de gaveta.

Aproveitando a deixa, nos capítulos "A era das trevas" e "A Era de Prata..." do livro Quando surgem os super-heróis, abordo esse período de transição em maiores detalhes.

E você disse tudo: nada nasce de repente.

Abração!
Roberto Guedes disse…
Bira, Wendell, Valcir, Franco e Cesão: valeu, chapas!

André, as HQs da Atlas foram publicadas no Brasil desde os anos 50, por diversas editoras. Assim de cabeça, fica difícil citar todas, mas lembro de revistas da La Selva, EBAL, RGE, Bloch e até mesmo Abril, que reproduziram em suas páginas, histórias de terror, ficção e, claro, as dos monstros legais de Lee, Kirby e cia.
Abração!
Anônimo disse…
"Com sobrinhos assim, depois não entendem por que tia May é cardíaca..."

hhahahaahah! Boa! Tanto o comentário quanto a matéria!

Gabriel Rocha
Roberto Guedes disse…
Valeu, Gabriel!
Abraço!
Não me lembro onde, mas já sabia do "ocorrido". Achei legal o resgate...não só o do Guedes para avivar nossa memória...mas do STAN que cunhou a MARVEL nesse rítimo...valorizando boas idéias....
Gerson_Fasano disse…
Essa hq é sem dúvida uma das mais comentadas da Tia May. Talvez resida aí o segredo da sua imortalidade....

Pelo que lembro (de memória, e memória é uma coisa perigosa...) nunca vi essa hq publicada por aqui, isso falando daquelas edições com várias editoras misturadas ou sem os devidos créditos.